quinta-feira, 12 de julho de 2018

O Casal do Lado de Shari Lapena



Casal

Sinopse: Cynthia disse a Anne que não levasse a filha Cora, a bebé de seis meses, para sua casa na noite do jantar para que ela e o marido Marco tinham sido convidados. Não era nada de pessoal. Ela simplesmente não suportava o choro de crianças. Marco não se opõe. Afinal, eles vivem no apartamento do lado. Têm consigo o intercomunicador e irão alternadamente, de meia em meia hora, ver como está a filha. Cora dormia da última vez que Anne a tinha ido ver. Mas, ao subir as escadas da casa em silêncio, ela depara-se com a imagem que sempre a aterrorizou. A menina desapareceu. Anne nunca tivera de chamar a polícia, antes disso. Mas agora eles estão lá, e quem sabe o que irão descobrir...

Do que seremos capazes, quando levados além dos nossos limites? O Casal do Lado é um thriller que nos leva de reviravolta em reviravolta até à última página.

Confesso que no início este livro lembrou-me muito o caso da Maddie que foi raptada no Algarve há 11 anos. Pareceu-me o thriller cliché em que culpam os pais por terem deixado a bebé (recém-nascida) sozinha em casa.

Mas nada é o que parece neste livro!

No começo é logo apresentada uma mãe com depressão pós-parto, da qual o detetive tem como principal suspeita. E logo aí as coisas descambam... Relativamente à depressão dela, a autora, descreveu um tanto de conceitos errados que eu presumo que apenas se devem verificar por uma fonte pouco fidedigna. Nunca vi tanto exagero de sintomas em volta de um assunto tão sério e delicado.

Ter um bebé mudou-a não só fisicamente e psicologicamente como também a mudou em termos sociais. Não sai de casa, não convive com mais ninguém a não ser a família e tornou-se uma pessoa extremamente insegura em relação ao seu corpo e à aceitação do marido.

Então quando surge a oportunidade de irem jantar com os amigos e principalmente com Cynthia, que era amiga de Anne antes desta engravidar, todos pensam que esta é uma oportunidade de Anne sair de casa e desanuviar a cabeça.

O problema é quando a baby sitter cancela à última da hora e Marco, o marido de Anne, sugere que deixem a bebé em casa a dormir, levem o intercomunicador e se revezem a ir ver a menina de meia em meia hora.

Tudo parece dar certo, até que quando chegam a casa a bebé não está no seu berço e a porta da frente está aberta.

O que me deu mais agonias foi não haver pistas! Dava por mim a pensar: Ai meu Deus, como vão encontrar a miúda se não há pistas?

Por um lado temos o detective a querer fazer da mãe a principal suspeita e de outro vemos o sofrimento de uma mãe que apesar de ter depressão pós-parto ama a filha como nunca amou ninguém e que se esforça diariamente por ser a melhor mãe possível, apesar do seu transtorno.

Apesar de ter partilhado no stories do meu instagram que achava que a história tinha ido pelo cano abaixo, por volta da página 100, quando revelaram quem tinha raptado a menina, penso que a autora conseguiu dar ao livro uma reviravolta fenomenal. Expectável, mas ainda assim muito boa!

Esta é daquelas histórias que dão muito que falar: pais que deixam uma filha em casa a dormir enquanto vão jantar à casa dos vizinhos do lado... Algo que acaba por ser muito falado na comunidade e ao longo da história vamos aprendendo a olhar para está história de todos os ângulos.

E é óbvio que vamos desconfiar de toda a gente! Cada vez que se descobriam novas pistas eu arranjava mais um suspeito para a minha lista.

Penso que com este livro fica bem claro que apesar de conhecermos uma pessoa toda a nossa vida nunca sabemos o que lhe vai verdadeiramente na alma, não sabemos o que a move, e isso é algo que a pode tornar extremamente perigosa.

É um livro bem rápido de ler, ótimo para quem quer uma leitura fluida.

Classificação: ★★★★☆

4 comentários:

  1. Já vi que és especialistas em sinopses de livros.
    Bem escritas, bem explicadas. Gostei. Dá vontade de ler,...

    :-)

    ResponderEliminar
  2. Parece ser um livro bastante interessante :). E, realmente, muito parecido com o caso da Maddie. Se calhar, até se inspiraram nela.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar