quinta-feira, 22 de outubro de 2015

As falsas amizades são como telhas quebradas



Este gif não me pertence e desconheço o seu autor, pelo que lhe concedo o título de "Direitos Reservados". Caso conheças ou sejas o autor dele identifica-te nos comentários e dar-te-ei os devidos créditos.

As falsas amizades são como telhas quebradas. Estragam o nosso telhado e nada mais são do que inúteis.

É Verão. O sol brilha, não há brisa que sopre. Conhecemos pessoas parecidas connosco e criam-se amizades com promessas de ser para sempre. O mar está calmo e o céu limpo. A vida está numa fase de bom tempo, sem furacões, tsunamis ou qualquer perigo que ameace o nosso bem estar. O sol põe-se, o sol nasce, a amizade parece estar firme.

O Outono chega e tudo começa a ficar menos bem. O vento que chega e nos desalinha o cabelo, o horário de verão acaba, os problemas começam a chegar. A vida complica. A amizade parece que não fica...

E o Inverno chega e lá bem no meio da tempestade surge uma telha quebrada, uma aqui, uma ali. Cada vez mais com o passar do tempo, proporcionalmente à quantidade de complicações na nossa vida. Nos dias de mau tempo chove para dentro da casa, gota a gota... E não há nada que se possa fazer. No meio da tempestade não podemos subir ao telhado e consertá-lo, não podemos trocar simplesmente as telhas, temos que esperar.

Uma telha quebrada dá-nos a falsa sensação de proteção. Pensamos que estamos a salvo da chuva mas não. Quando menos esperarmos mais uma telha poderá permitir que a água entre, não nos dando o alento para a qual foi destinada, o alento que uma amizade deve dar.

É nos maus momentos que se veêm como são as pessoas, como nos bons momentos é fácil dar conforto e sorrisos, mas como no Inverno rigoroso é difícil permanecer firme e a amizade intacta. Mas um telhado requer uma constante reparação. 

A minha casa tem um telhado cheio de telhas quebradas. Meto a tigela e vou para a rua. Prefiro molhar-me à chuva do que sentir esta falsa proteção, sentir que não estou sozinha quando o estou. Se é para ter telhas de faz de conta, prefiro viver sem telhado. Assim sei com o que posso contar.

Quando o bom tempo chegar, quando a razão me guiar, de olhos secos e coração frio irei subir ao telhado, retirar todas as telhas quebradas e colocar novas. Novas pessoas, novos pensamentos e novos projetos que façam a minha casa ficar seca e segura.

Colocarei todas as telhas boas da minha vida e sei que estas me protegerão de todas as tempestades que por aí virão. E quando estas faltarem, quando as telhas de qualidade escassearem... Ah! Deixo mesmo assim... Deixo para que de dia possa receber o calor do sol e para que à noite possa observar o universo de oportunidades que tenho pela frente.
Brenda C.
(22-10-2015)

4 comentários:

  1. Otimo texto, infelizmente também a minha casa tem muitas telhas quebradas, mas acho que é algo que faz parte da vida, e é mesmo assim... Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Pois é, mas faz parte de nós tirarmos essas telhas quando sentimos que já existem tantas que mais valia nem ter telhado :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar